Arca Brasil

This is default featured slide 1 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 2 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 3 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 4 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

This is default featured slide 5 title

Go to Blogger edit html and find these sentences.Now replace these sentences with your own descriptions.

22 janeiro 2012

Preocupação com o meio ambiente e o Novo Acordo

22/01/2012 | DISCUSSÃO IMPORTANTE
Novo Código Florestal causa polêmica entre ambientalistas e produtores rurais
Notícia publicada na edição de 22/01/2012 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 002 do caderno E - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.

O texto do novo Código Florestal, que foi aprovado no começo de dezembro no Senado e agora caminha para aprovação na Câmara dos Deputados - com a votação prevista para março -, vem causando diversas polêmicas, principalmente entre os ambientalistas, que não poupam esforços em se manifestar contrários às determinações do projeto. De acordo com os "defensores" do meio ambiente, o novo Código apresenta propostas que poderão facilitar ou fazer concessões a novos desmatamentos, em plena época em que a importância da conservação das florestas e matas está sendo bastante difundida no mundo todo. A principal preocupação dos ambientalistas, segundo pesquisadores e acadêmicos do setor, está sobre a flexibilização do uso de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Reserva Legal (RL) por agricultores, além da anistia aos desmatamentos anteriores ao ano de 2008, em áreas com produções e ocupações já consolidadas.
Para o novo Código Florestal, o governo vem tentando conciliar as questões de preservação com as agrícolas, como forma de atender as necessidades de ambos os setores, criando, assim, um desenvolvimento sustentável. Porém, para a secretária de Meio Ambiente de Sorocaba, Jussara de Lima Carvalho, essa discussão está pendendo mais favoravelmente para o setor produtivo. Ela acredita que novos debates sobre o tema deveriam ocorrer, para que essa conciliação não caminhasse mais para um lado ou outro, mas ainda acha difícil que isso ocorra. "Acredito que tenha que haver uma nova revisão, mas eu não estou vendo que essa conciliação vai sair de uma forma favorável ao setor ambientalista", relata.
Segundo o diretor de Gestão Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) e membro do Conselho Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Vidal Mota Júnior, isso vem ocorrendo, pois muitos estão pensando que é preciso que aumentem as áreas voltadas à produção agrícola para garantir o desenvolvimento da economia nesse sentido, mas ele afirma que esse pensamento está equivocado. "Hoje a gente sabe que o aumento da produtividade agrícola se dá com o avanço da tecnologia no campo e não, necessariamente, com a expansão de novas áreas. Por isso, a gente sabe que podemos fomentar o desenvolvimento econômico sem aumentar a ocupação dessas áreas", explica.
O coordenador do curso de Gestão Ambiental da Universidade de Sorocaba (Uniso), Nobel Penteado de Freitas, pensa, sobre essa discussão, que o novo Código Florestal estaria indo na "contramão" do que está sendo difundido atualmente, com base nas questões ambientais. "É triste ver o Brasil correndo na contramão da história, quando hoje percebemos que as florestas naturais vão ser uma moeda fortíssima num futuro próximo, que a água em quantidade e qualidade pode ser o diferencial para o crescimento econômico."
Essas constatações dos profissionais da Sema estão especificadas no artigo 8 do projeto de lei nº 30, que institui o novo Código Florestal, e está disponível na íntegra na Internet, pelo link http://bit.ly/veG1RI. De acordo com a legislação, "a intervenção ou a supressão de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente somente ocorrerá nas hipóteses de utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental". Ainda segundo o texto do projeto, são dispensadas as autorizações dos órgãos ambientais competentes para a execução de obras, em caráter de emergência, com o intuito de prevenção de acidentes em áreas urbanas.
 
Anistia
Apesar de toda essa controvérsia na conciliação entre os setores ambiental e rural, o problema que mais chama a atenção dos entrevistados pelo Cruzeiro do Sul é sobre a anistia aos desmatamentos ocorridos até o ano de 2008. Conforme o disposto na legislação, as supressões de vegetações nativas ocorridas até 22 de julho de 2008 não serão punidas, apenas não serão concedidas novas autorizações para os desmatamentos posteriores em APPs. O mesmo ocorre com as áreas consolidadas em locais de Reserva Legal, em que os proprietários de imóveis rurais com áreas de RL com extensão inferior ao disposto no Código Florestal poderão regularizar a sua situação. "Na medida em que há anistia para esse tipo de situação, aqueles que vêm cumprindo, com dificuldade, a legislação ficam em um processo de injustiça total. Eu acho que a anistia deveria ser melhor estudada, nós sabemos que a pressão é muito grande, porque o setor produtivo rural se organizou para esta questão", ressalta Jussara.
Importância das APPs
 A importância da manutenção da mata nativa existente nas Áreas de Preservação Permanente pode ser citado como algo que é defendido plenamente pelos ambientalistas. Por conta da flexibilização da utilização dessas áreas, prevista no novo Código Florestal, o tema foi colocado em debate em diversos sites que buscam fazer com que o projeto seja vetado pela presidente da República, Dilma Rousseff (PT). De acordo com o coordenador do curso de Gestão Ambiental da Uniso, as APPs são responsáveis por manter a biodiversidade dos rios, lagos, córregos e cursos d"água. "Estas matas tem a função de filtrar sedimentos e outros materiais que possam chegar aos cursos de água e promover sua poluição e assoreamento. Elas também permitem o fluxo gênico entre as populações animal e vegetal, funcionando como verdadeiros corredores genéticos entre outras funções", explica Freitas.
Segundo ele, se as matas ciliares que existem nas APPs são retiradas, os impactos nas fauna e flora locais acarretam em diversos problemas, que podem comprometer a vida dos rios, lagos e afins. "Ocorre a interrupção do corredor genético, a mudança da temperatura do corpo d"água, a falta de alimentos para os animais aquáticos, a desestruturação das margens e consequentes desbarrancamentos, e o assoreamento dos rios e lagos", especifica, como forma de fazer um alerta para que não haja flexibilizações na ocupação dessas áreas.
 22/01/2012 | OCUPAÇÕES EM ÁREAS DE RISCO
Falta de fiscalização é mais preocupante do que as alterações na lei
Notícia publicada na edição de 22/01/2012 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 002 do caderno E - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.
Apesar de a discussão estar voltada às determinações do novo Código Florestal, o coordenador do curso de Gestão Ambiental da Uniso, Nobel Penteado de Freitas, acredita que o mais preocupante seria a falta de fiscalização do governo federal, dos Estados e dos municípios quanto às ocupações em áreas de risco. A falta de punição também foi citada por ele, que explica essa situação como a forma que muitos capitalistas veem a utilização das terras, pensando somente nos ganhos monetários e se esquecendo das perdas ambientais.
 Segundo Freitas, as "condições culturais" existentes no Brasil muitas vezes impedem que uma reflexão ecológica exista, despertando as pessoas para a preocupação de que, ao ocupar áreas não habitáveis, isso acarretará em uma degradação no meio ambiente. "Você acredita que se o Código Florestal determinasse por exemplo, uma reserva legal de 90% para as propriedades da Amazônia, este percentual de floresta seria preservado e não desmatado? É praticamente impossível, pois existem pessoas precisando trabalhar, "empresários" querendo vender madeira e criar gado, pessoas querendo comprar mogno, castanheira, cedro, e outras madeiras nobres, ou seja, existem inúmeros fatores de pressão para que o desmatamento ocorra", relata.
 Um caso da região foi lembrado por Freitas, que são as condições encontradas hoje na represa de Itupararanga, principal fornecedora de água potável para cidades como Sorocaba e Votorantim. "Foi feita uma grande mobilização que iniciou-se em 1994, foi criada a APA (Área de Proteção Ambiental) em 1998, e a situação que se observa hoje não é das mais favoráveis. As águas da represa estão em processo de deterioração, pois o Poder Público estadual e regional não assumiu isto com a importância devida", afirma, se referindo às ocupações imobiliárias das margens da represa, a utilização do solo daquele local para atividades agrícolas, dentre outros fatores, apresentados pelo jornal Cruzeiro do Sul no Caderno de Domingo do dia 18 de dezembro e em outras matérias publicadas posteriormente.
Como forma de evitar que isso ocorra, o coordenador do curso de Gestão Ambiental relata que é preciso que haja mais investimentos públicos nos setores de fiscalização, que as punições sejam realmente efetuadas, além de outros incentivos que visem preservar as florestas, oferecendo algum tipo de retorno econômico para as comunidades locais e empresários. ""Essa seria a política mais adequada e eficiente para conter os desmatamentos no País", conclui. (A.M.)
22/01/2012 | CÓDIGO FLORESTAL
Ocupações das APPs preocupam também em Sorocaba
Notícia publicada na edição de 22/01/2012 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 003 do caderno E - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.
Como forma de trazer as determinações do novo Código Florestal, que tramita na Câmara dos Deputados, para a realidade de Sorocaba, os profissionais da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) e o coordenador do curso de Gestão Ambiental da Uniso, Nobel Penteado de Freitas, revelam que os problemas cairiam, certamente, nas ocupações de Áreas de Preservação Ambiental (APPs), que muitas vezes são consideradas de risco, por estarem muito próximas de cursos d"água ou em encostas. "A realidade da maioria das cidades mundiais e brasileiras - e Sorocaba não é diferente da maioria - ocuparam as áreas de APP desde sua formação", relata Freitas, fazendo menção aos relatos históricos, que mostram que as famílias, ao se instalarem em determinados locais antigamente, procuravam estar perto de rios, por oferecerem uma maior facilidade na hora de conseguir água para beber ou para outras formas de utilização.
A Prefeitura de Sorocaba chegou a se mobilizar nos últimos tempos a respeito disso, com a criação de debates em torno da implementação de um Plano Diretor Ambiental, que deverá identificar as áreas de risco da cidade, para evitar que haja ocupações que podem resultar em tragédias, além de demonstrar as melhores formas de utilização do solo sorocabano. "A gente percebe que o município de Sorocaba, com essa iniciativa de fazer o Plano Diretor Ambiental, se norteia, claramente, com essa sugestão mais crítica, então fica mais difícil do ponto de vista técnico haver novas ocupações, que são problemas que afetam todo mundo", afirma a secretária de Meio Ambiente, Jussara de Lima Carvalho.
Sem problemas
Os ambientalistas vem enfrentando um embate com o setor agrícola nas discussões em torno do Código Florestal, pois acreditam que as determinações estão favorecendo o lado dos produtores. Porém em Sorocaba isso não existe, como diz o diretor de Gestão Ambiental da Sema e membro do Conselho Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Vidal Mota Júnior. "Sorocaba é caracterizada por ter pequenos agricultores e eles são muito conscientes sobre a questão ambiental. Eles sabem que se tirar a mata ciliar perto do corpo d"água de sua propriedade, ele vai ficar sem água, portanto inviabiliza a sua produção", revela.
Mas Jussara alerta que o maior percalço enfrentado em Sorocaba tem sido com o setor imobiliário. "Os setores imobiliários, assim como os arquitetos, não estão ainda, devidamente, conscientes de que o nosso município deva se voltar ao meio ambiente, para garantir uma qualidade de vida. Temos que estar atentos à hipermeabilização do solo, à arborização...", ressalta. A secretária da Sema diz que os representantes desse setor deviam perceber que, ao mesmo tempo em que ajudam a preservar as espécies de mata nativa que existem nos terrenos em que os empreendimentos serão construídos, eles acabam fazendo com que fiquem mais "bonitos" aos olhos de quem compra. "Mas essa consciência ainda não existe", conclui Jussara. (A.M.)

Nota do Autor do Blog: " Como defensora do meio ambiente, me senti na obrigação de divulgar essas reportagens feitas pelo jormal da nossa região que é o Cruzeiro do Sul, que por sinal está muito bem idealizada, colocando toda a preocupação advinda com esse novo Acordo do Meio Ambiente."

Movimento pelos Direitos dos Animais

Milhares saem às ruas pelos direitos dos animais


Foto: ANDRÉ LESSA/AGÊNCIA ESTADO


Movimento Crueldade Nunca Mais reúne mais de 13 mil pessoas só em São Paulo; em todo o país, manifestantes reivindicam leis menos brandas para quem maltratar os bichos


22 de Janeiro de 2012 às 17:22
247 com Agência Brasil - A indignação contra o tratamento cruel de animais levou milhares de pessoas às ruas, em protesto, neste domingo, em todo o Brasil -- com passeatas programadas também no exterior pelas redes sociais. A manifestação Crueldade Nunca Mais ocorreu em dezenas de cidades com o apoio e coordenação de ONGs que trabalham em defesa dos direitos dos animais, com uma convocação geral para que as pessoas saíssem do mundo virtual para mostrar às autoridades a necessidade urgente de uma mudança nas leis.
Só em São Paulo, a passeata que partiu do Masp, na Av. Paulista, reuniu 13,5 mil pessoas, de acordo com os organizadores (a Polícia Militar contou 5 mil manifestantes). No Rio de Janeiro, o sol forte não impediu que centenas se encontrassem em frente ao Copacabana Palace para a passeata.
Os movimento Crueldade Nunca Mais reivindica a criação de uma legislação menos branda para punir quem pratica maus-tratos contra os bichos, como foi o caso da enfermeira que espancou até a morte a cachorra Lana, da raça Yorkshire, em Goiás. Ela responde o processo em liberdade e, se condenada, dificilmente ficará presa, já que o cumprimento da pena é em regime aberto ou semiaberto (relembre)
Outro objetivo do movimento é chamar a atenção das autoridades para a negligência policial que se verifica no atendimento a diversas denúncias sobre maus-tratos contra animais, crime previsto em lei federal.
“O movimento popular dá início ao processo de pedido de mudança da Lei Federal 9.605/98, conhecida como Lei dos Crimes Ambientais, que trata de maus-tratos aos animais”, disse Vicente Neto, assessor de imprensa do movimento. Para isso, está sendo elaborado um texto, com suporte jurídico, que será submetido à sociedade brasileira para apoio.
O objetivo é recolher cerca de 1,5 milhão de assinaturas, reivindicando “penalidades mais severas para quem maltratar animais”, explicou uma das coordenadoras do movimento no Rio de Janeiro Newa Carvalho. “Hoje, a pena é muito branda. A pessoa maltrata os animais e paga cesta básica”, acrescentou Vicente Neto.

Nota do Autor do Blog: " Fica aqui registrado todo o meu apoio aos Direitos do Animais"
Apóio essa causa sem pestanejar.

Crueldade Nunca mais

Incríveis polêmicas

Nestes últimos dias inúmeras noticias têm sido veiculadas a respeito de maus tratos a animais. E com isso não posso deixar passar mais uma oportunidade de também postar algo, não para criticar apenas, mas sim para mostrar a minha solidariedade para com os pequenos que estão sofrendo nas mãos de pessoas inapropriadas.
Sejamos coerentes! Temos que tomar alguma atitude, pessoas que traficam animais, maltratam, mantêm seus animais presos por algum motivo e simplesmente esquecem que eles existem, tem que haver alguma punição.
Não há propósito algum em fazer tais crueldades! Não existe uma explicação para esse fato!
Uns alegam que os bichos dão trabalhos demais, outros que foi num rompante de loucura, outros por vingança.
Até quando haverá impunidade para essas pessoas, até quando nossas leis serão brandas em relação a esses fatos e cruéis assassinos continuam a soltas e a cada dia maltratando ainda mais animais.
Tenho participado em meu blog, que a castração é melhor forma de você demonstrar amor ao seu animal, os meus são castrados e os que ainda não são já estão na fila de castração.
Se toda a sociedade lutasse para que a Lei de Crime contra os animais silvestres e domésticos fosse colocada mais em vigor e que realmente nunca mais ouvíssemos, que somente pagou uma fiança absurda e saiu livre das acusações, enquanto os pobres animais estão mortos, ou mutilados em algum lugar desse imenso país.
Somos os principais responsáveis pelos animais que adquirimos, adotamos ou compramos. O que fizermos de mal a eles temos que responder por isso, afinal são indefesos e estão em nossa casa apenas e tão somente porque queremos ninguém nos obrigou a te-los.
Maus tratos, abandono, descuido. Tudo isso deve ser abolido de nossa sociedade.
Já basta! Crueldade Nunca Mais! Chega de impunidade! Quem faz tem que pagar!

17 janeiro 2012

Feira de Adoção

Caros Amigos, boa tarde
 
Raji
Tchuka
 
É com bastante entusiasmo que A EQUIPE GAMAH divulga a realização da
 
PRIMEIRA FEIRA DE DOAÇÃO DE ANIMAIS DE 2012
a realizar-se
DIA 22 de JANEIRO
das 10h às 13h
Praça Pio XII - Santa Rosália - Sorocaba/SP
(ao lado do Shopping Villágio)
 
Optamos por realizar a Feira de Doação durante a
MANIFESTAÇÃO CONTRA CRUELDADE ANIMAL
(mesmo local e horário das 10h às 12h)
pois acreditamos que os animais participantes terão grandes chances de serem adotados por pessoas do bem, participantes da Manifestação.
 
Como a Manifestação é pacífica, não vimos empecilhos à participação dos amigos de 4 patas. Essa será uma Feira especial com os Órfãos da Professora Ana, que faleceu em novembro de 2011.Ainda esperam por adoção 40 cães adultos.
 
Os fofuxos das fotos são alguns dos animais que participarão do evento.
 
Pitty
Nicolai
disponibilzamos as fotos de todos os órfãos.
 
 
 Agradecemos desde já a divulgação dos eventos.
E aguardamos você, para juntos lutarmos pelos direitos dos animais!
 
Maiores informações sobre a Manifestação:
 
Atenciosamente
 
Equipe GAMAH
 
 
p.s. pedimos que não respondam a esse email.
Caso queiram entrar em contato, queiram por gentileza
mandar email para contato.gamah@gmail.com

20 dezembro 2011

Raça Humana

palavrapoeta.blogspot.com
Sinceramente me sinto muito triste em dizer que pertenço a raça humana,o único ser que tem a consciência e pode rasciocinar.
Oh! Deus do céu, até quando vamos crer que somos infalíveis? Somos os seres mais desprezíveis que há na terra, simplesmente matamos seres tão indefesos que necessitam de nossa ajuda.
Ainda assim somos seres humanos, podemos cometer as maiores loucuras que ainda somos os seres perfeitos que se acham na autoridade de cometerem tanta atrocidades contra idosos tão frágeis, que muitas das vezes nos deram a vida e hoje retribuimos com socos, pancadas, mortes.
Crianças que estão sendo mutiladas pelos próprios pais, muitas das vezes porque não tiveram paciência com os pequenos, muitos sendo jogados em rios, latas de lixo.
Animais que são espancados até a morte. são dilascerados, mutilados pelos donos que não sabem o verdadeiro sentido da palavra Amor.
Deus em sua palavra de Provérbios nos ensina que bem aventurado é o varão que cuida de seus animais. Isso significa cuidar, amar, tratar, dar carinho.
Meu Deus, me sinto envergonhada em dizer que pertenço a essa raça de ser humano, que não sabe o que é amar, não dá o devido valor pelos pais idosos, pelos filhos, jogando-os no mundo querendo que qualquer pessoa o eduque, menos os próprios pais.
Como dizia João Batista em suas pregações, Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura Mt 3:7, geração má e cruel. São pessoas preocupadas consigo mesmas, egoístas, amantes de si mesmos, sem amor ao próximo.
Fiquei muito triste vendo o vídeo da enfermeira que matou o cãozinho a bordoadas, ao cara que arrastou o cão por muitos metros e ele devido aos ferimentos veio a óbito.
Até quando vai prevalescer a impunidade, até quando as autoridades serão omissas em relação a esses crimes contra indefesos.
http://doceanjomarquinhos.blogspot.com
Neste momento eu posto isso chorando de amargura pelo sofrimento desses pobres incapazes que em momento algum puderam se defender da crueldade humana.
Geração maldita em que o dinheiro, a ganância fala mais alto, onde os valores antigos hoje não passam de balelas, coisa furada, hoje o importante é se dar bem, não importa como e nem a quem irá atingir.
É por isso que deixo aqui as minhas lágrimas de indignação e de lamento pela raça humana, que se diz ser superior, mas que infelizmente se mostra o ser mais infeior que existe, incapaz de amar.
Infelizmente é assim que me sinto em relação ao único ser pensante e que comete crimes tão hediondos, incapaz de se reproduzir em uma tela.
Felizmente eu acho que o único ser que ama sem pedir nada em troca são os animais, aqueles a quem devemos amar e proteger.

19 dezembro 2011

Direito dos Animais

Declaração Universal dos Direitos dos Animais 
 
1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida.
2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem.
3 - Nenhum animal deve ser maltratado.
4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.
5 - O animal que o homem escolher para companheiro não deve ser nunca ser abandonado.

6 - Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.
7 - Todo ato que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.
8 - A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimescontra os animais.
9 - Os diretos dos animais devem ser defendidos por lei.
10 - O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender os animais.
Preâmbulo:
 
Considerando que todo o animal possui direitos;
Considerando que o desconhecimento e o desprezo desses direitos têm levado e continuam a levar o homem a cometer crimes contra os animais e contra a natureza;
Considerando que o reconhecimento pela espécie humana do direito à existência das outras espécies animais constitui o fundamento da coexistência das outras espécies no mundo;
Considerando que os genocídios são perpetrados pelo homem e há o perigo de continuar a perpetrar outros;
Considerando que o respeito dos homens pelos animais está ligado ao respeito dos homens pelo seu semelhante;
Considerando que a educação deve ensinar desde a infância a observar, a compreender, a respeitar e a amar os animais,
 
Proclama-se o seguinte


Artigo 1º 
Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.
 
Artigo 2º 
1.Todo o animal tem o direito a ser respeitado.
2.O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais
3.Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à proteção do homem. 
 
Artigo 3º 
1.Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a atos cruéis. 2.Se for necessário matar um animal, ele deve de ser morto instantaneamente, sem dor e de modo a não provocar-lhe angústia. 
 
Artigo 4º 
1.Todo o animal pertencente a uma espécie selvagem tem o direito de viver livre no seu próprio ambiente natural, terrestre, aéreo ou aquático e tem o direito de se reproduzir.
2.toda a privação de liberdade, mesmo que tenha fins educativos, é contrária a este direito. 
 
Artigo 5º 
1.Todo o animal pertencente a uma espécie que viva tradicionalmente no meio ambiente do homem tem o direito de viver e de crescer ao ritmo e nas condições de vida e de liberdade que são próprias da sua espécie.
2.Toda a modificação deste ritmo ou destas condições que forem impostas pelo homem com fins mercantis é contrária a este direito. 
 
Artigo 6º 
1.Todo o animal que o homem escolheu para seu companheiro tem direito a uma duração de vida conforme a sua longevidade natural. 
2.O abandono de um animal é um ato cruel e degradante. 
 
Artigo 7º 
Todo o animal de trabalho tem direito a uma limitação razoável de duração e de intensidade de trabalho, a uma alimentação reparadora e ao repouso.
 
Artigo 8º 
1.A experimentação animal que implique sofrimento físico ou psicológico é incompatível com os direitos do animal, quer se trate de uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer que seja a forma de experimentação.
2.As técnicas de substituição devem de ser utilizadas e desenvolvidas. 
 
Artigo 9º 
Quando o animal é criado para alimentação, ele deve de ser alimentado, alojado, transportado e morto sem que disso resulte para ele nem ansiedade nem dor.
 
Artigo 10º 
1.Nenhum animal deve de ser explorado para divertimento do homem. 
2.As exibições de animais e os espetáculos que utilizem animais são incompatíveis com a dignidade do animal. 
 
Artigo 11º 
Todo o ato que implique a morte de um animal sem necessidade é um biocídio, isto é um crime contra a vida.
 
Artigo 12º 
1.Todo o ato que implique a morte de grande um número de animais selvagens é um genocídio, isto é, um crime contra a espécie.
2.A poluição e a destruição do ambiente natural conduzem ao genocídio. 
 
Artigo 13º 
1.O animal morto deve de ser tratado com respeito.
2.As cenas de violência de que os animais são vítimas devem de ser interditas no cinema e na televisão, salvo se elas tiverem por fim demonstrar um atentado aos direitos do animal. 
 
Artigo 14º 
1.Os organismos de proteção e de salvaguarda dos animais devem estar representados a nível governamental.
2.Os direitos do animal devem ser defendidos pela lei como os direitos do homem.

01 dezembro 2011

Lição de vida

Como o título já define, a vida nos dá uma lição que levamos para o resto de nossas vidas, e com isso podemos analisar o que fazemos de nossas vidas e o que podemos mudar em relação a isso também.
Queridos, estou postando isso, porque de uma forma inusitada nos aconteceu nestes dias, vou colocar desde o começo essa história.
No dia 22 próximo passado levamos nossa gata para ser castrada, na zoonoses aqui em minha cidade, e quando menos esperávamos, apareceu um moço com uma caixa com cinco lindos gatinhos que ele iria deixar jogado na rua porque segundo ele a mãe dos gatinhos foi envenenada e morreu e ele não tinha condições de ficar com os filhotes, eu e minha irmã ficamos com pena e trouxemos os filhotes para amamentar até que eles estivessem fortes para poderem ser doados, e com isso infelizmente perdemos dois deles que não resistiu a falta da mãe e adoeceram, não pudemos salvá-los.
Somente três deles sobreviveram, embora tenham ficado doentes, conseguimos reverter o quadro, graças a Deus eles estão bem agora e com isso, estamos amamentando todos eles, mas, tivemos uma grata surpresa de ontem para hoje, a nossa cachorra salsichinha que também foi castrada adotou os três gatinhos de uma só vez, muito embora ela não amamente os filhotinhos, cuida deles como se fossem seus filhotes e não deixa que ninguem chegue perto. É a vida nos dando uma lição de moral, de ética, de amor e de aceitação com os diferentes.
Enquanto muitos pais matam seus filhos, mesmo sendo seu sangue e carne, podemos ver que a natureza é sábia e verdadeira e o quanto Deus nos ensina através de gestos como esse o quanto laços de amor une famílias que aos olhos do mundo jamais poderia existir, mas existe.
E com isso deixo como reflexão a todos que vejam essa postagem.
A vida que foi criada por Deus sempre é uma surpresa maravilhosa, e a Quem devemos agradecer todos os dias de nossa vida pela sua bondade e misericórdia, muito embora sejamos racionais, temos muito a aprender com os irracionais e com a lição de amor, de amizade e lealdade que eles nos dão.
Essa é uma prova de que o Amor supera todas as barreiras, de que seres diferentes são aceitos em famílias que jamais poderiam se dar bem como os cães e gatos.